Queijos e Frios

A harmonização de queijos e frios com vinhos tem sua origem na França e se espalhou ao redor do mundo por um motivo muito simples: É uma combinação perfeita.
É um sofisticado casamento de aromas e texturas onde o sabor do vinho realça e dá personalidade ao de queijos e frios. E vice-versa. A busca eterna e inspiradora por um “equilíbrio ideal” entre sabores mais suaves e robustos faz deste momento, além de uma verdadeira ciência gourmet, um excelente motivo para encontros de amigos e casais.
O Armazém San Miguel possui  uma adega com rótulos de vinhos do mundo inteiro e um empório com produtos de alta qualidade.
Tudo isso em um espaço aconchegante no centro da cidade

QUEIJOS E VINHOS
dicas de harmonização
A associação entre o queijo e o vinho é tão perfeita quanto antiga. Um bom vinho
acompanha bem vários pratos. Nada melhor para acompanhar um queijo do que um bom e vice-versa. Essas duas alquimias, embora diferentes em muitos pontos, guardam estreitas similaridades: ambos são milenares, ambos provêm da natureza. Um, do reino animal, o outro do reino vegetal. Em companhia do pão, representam a convivência harmoniosa do homem com a natureza. O queijo é o resultado do mais racional aproveitamento de espécies animais e o vinho é uma extraordinária demonstração da sinergia do homem com a terra.
Fonte: Jair Jorge Leandro, autor do livro “O Maravilhoso Mundo dos Queijos”.
Para apreciar uma boa degustação é sempre interessante iniciar pelos queijos de sabor
mais suave, deixando por último os mais pronunciados. Na harmonização de queijos e
vinhos, é preciso considerar as texturas, os sabores, os teores de gordura (combina com vinhos mais ácidos)  e de sal ( quando em excesso , “briga” com os taninos dos vinhos tintos, mas pode harmonizar bem com vinhos mais doces, pelo contraste ).
A regra universal nesta área, diz que, nem o vinho nem o prato devem sobressair-se em
sabor, e sim se harmonizarem. Logo, pratos leves combinam com vinhos de sabor leve
e pratos fortes combinam com vinhos de sabor marcante e intenso.
Os queijos mais procurados para degustação e harmonização com vinhos são:  brie,
camembert, emental, fondue, gorgonzola, gouda, gruyére, parmesão e provolone”,
afirma Silmara Figueiredo, consultora de marketing da ABIQ – Associação Brasileira das
Indústrias de Queijo.

Segue algumas dicas para a harmonização de queijos e vinhos:

PROVOLONE – Ligeiramente picante e com diferentes graus de defumado. O picante se acentua com a maturação, por isso pede vinhos tintos com presença de madeira. Sugestão de uvas: Tempranillo, Cabernet Sauvignon, Tannat, Syrah ou Malbec Reservas.

 

CAMEMBERT – Queijo francês macio e cremoso. Seu nome vem da vila de Camembert. Quando fresco, tende a ser esfarelento e é relativamente duro. Amadurece e fica com sabor forte quando envelhecido. Sugestão de uvas: Semillon Blanc, Pinnot Noir ou Cabernet Sauvignon/ Merlot.

GORGONZOLA – Tem sabor pronunciado e ligeiramente salgado. A harmonização recomendada é por contraste, como os vinhos de colheita tardia. Tintos estruturados e com passagem por barris de carvalho também vão bem. Sugestão de uvas: Tempranillo, Merlot, Pinot Noir, Barbera, Blends Reservas (Syrah, Tempranillo e Cabernet Sauvignon ou Malbec, Merlot e Cabernet Sauvignon) ou Porto.

BRIE – Queijo macio feito de leite de vaca. Seu nome vem da província da França da qual é originário. O brie tem cor pálida, é bem macio e com sabor forte. Sugestão de uvas: Cabernet Sauvignon ou Malbec Reservas.

 

 

EMENTHAL - Com sabor adocicado e frutado, mas com significativo teor de gordura, pede um vinho branco de acidez pronunciada ou tintos mais leves. Sugestão de uvas: Airén, Torrontés, Sauvignon Blanc, Malbec, Merlot, Pinot Noir.

PARMESÃO – Queijo de massa seca, sabor picante e textura granular, pede vinhos tintos estruturados, mas combina também com espumante brut e vinho branco com acidez acentuada. Sugestão de uvas: Malbec, Tempranillo, Cabernet Sauvignon, Tannat, Airén, Sauvignon Blanc, Gewürztraminer.

 

 

BÚFALA – Mais doce e cremoso do que os elaborados com leite de vaca, sugere um vinho branco fresco e de pouca intensidade, frutado e com acidez equilibrada. Sugestão: espumantes frutados e meio doces. 

MUSSARELA – De massa esbranquiçada, firme e com sabor ligeiramente ácido e salgado, pede tintos leves e ligeiros ou brancos. Sugestão de uvas: Riesling, Chardonnay (jovem), Gewürztraminer, Pinot Noir, Tempranillo (jovem).

 

CABRA – Cremoso ou mais curado, apresenta acidez mais elevada, o que sugere combinação com brancos e espumantes com boa acidez. Sugestão de uvas: Airén, Gewürztraminer Sauvignon Blanc.

MINAS FRESCAL – Tem massa branca, consistência mole, sabor suave e levemente ácido. Se servido com mel, faça acompanhar vinhos de sobremesa. Se presente nos salgados, é recomendável ficar com um branco seco jovem. Sugestão de uvas: Airén, Riesling, Gewürztraminer.

 

 

CREAM CHEESE – Tem alto teor de creme de leite. Por isso, é melhor combiná-lo com um espumante, um prosecco ou um sauvignon blanc. Sugestão: se servido com frutas frescas, harmonizar com espumante demisec ou moscatel.

Um brinde!

CERVEJA

  • Carbonatação: A carbonatação da cerveja ativa e estimula as papilas gustativas da língua, acentuando os complexos sabores dos queijos. Também tem o poder de cortar a gordura dos queijos que cobre as papilas gustativas, preparando a boca para os próximos sabores.
  • Harmonía: Cerveja e queijo harmonizam ao invés de contrastar. Eles se misturam, principalmente por serem ambos lentamente fermentados. A cerveja nutre o sabor do queijo na boca, ampliando seu sabor;
  • Semelhanças: como os queijos, as cervejas também variam bastante, seja em força (álcool), seja em corpo, cremosidade, etc, apresentando muitas vezes aromas e sabores semelhantes, como nozes, castanhas, amêndoas e caramelo.
  • Pão líquido: não há dúvidas nem questionamento quanto ao pão ser um ótimo acompanhamento de queijos. E como não seria a cerveja, também conhecida como Pão Líquido?

Contra o vinho, fica ainda a acusação de que a sua acidez tira em demasia o sabor e a cremosidade do queijo da boca, ao invés de apenas prepará-la para os próximos sabores.

Mas e aí? Qual cerveja vai com qual queijo?

A dica geral, para não ter erro, é combinar cerveja e queijo de acordo com a força do sabor. Ou seja, para queijos suaves, cervejas suaves, para cervejas fortes, queijos fortes. Claro que outras combinações fora dessa linha são possíveis e muitas vezes excelentes, depende do gosto de cada um.

No geral, você pode seguir as 4 regrinhas abaixo:

  1. Cervejas delicadas e leves com queijos frescos e suaves
  2. Cervejas maltadas com queijos maturados e com notas amendoadas
  3. Cervejas mais lupuladas, portanto mais amargas, com queijos mais salgados, acres, azedos
  4. Cervejas fortes e com maior residual de açúcar com queijos azuis

Para uma combinação mais exata, podemos dividir os queijos em 8 grandes grupos, e ver quais cervejas são mais recomendadas:

TIPO

QUEIJOS

CERVEJAS

Queijos frescos e muito suaves Ricota, Cottage, Minas American wheat beer, Hefeweizen, American Lagers, Amber Lagers e Munich Lagers
Queijos macios, que se pode espalhar Mascarpone, Requeijão, Catupiry, Camembert e Brie Hefeweizen, Premium Lagers, Belgian Tripel, Pale Ales, Fruit Beers e Lambic-Fruit
Queijos semi-macios Gouda, American, Colby, Monterey jack Brown Ales, Amber Ales, Golden Ales, Bitters e Belgian Pale Ales, assim como Vienna Lagers, Bocks suaves e Oktoberfestbier
Queijos semi-duros, que se pode cortar Cheddar tradicional, Suíço, Edam, Gruyere, Emental Strong Bitters, Pale Ales, IPAs, Bocks e Doppelbocks, Strong Ales e a maioria das Belgian Ales, particularmente as mais frutadas e com trigo
Queijos duros Parmigiano, Parmesão, Grana Padano e Pecorino Strong Ales, Doppelbock, Stout e Porter
Queijos marmorizados, também chamados de queijos azuis (blues) Roquefort, Stilton e Gorgonzola Cervejas fortes e doces como Belgian Strong Ales, Strong Porters, Barley Wines, Stouts e Imperial Stouts
Queijos de cabra Caprino romano e Feta IPAs, ESBs, Hefeweizen
Outros queijos Mozzarella e Provolone Cervejas de Trigo, sejam as Witbier, Hefeweizen ou Doppelweizen